“Não dá para pensar numa educação que seja descontextualizada” Cláudia Cristina

Compreender às garantias do direito constitucional à educação pública, com base na legislação infraconstitucional atualmente em vigor é fundamental para que as garantias, já pensadas por Anísio Teixeira possam de fato ser constituírem enquanto formação e emancipação cidadã.

Na tarde desta quinta-feira (28), Cláudia Cristina discorreu para equipes da educação nos municípios baianos e destaca que pensar currículo nas redes municipais, precisa ser pautada na concepção da integralidade.

Claudia Cristina Pinto Santos, doutoranda em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestre em Família na Sociedade Contemporânea pela Universidade Católica de Salvador (UCSAL).

Possui Especialização em Metodologia, Pesquisa e Extensão em Educação – Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Especialização em Gestão Escolar pela Universidade Contemporânea (UnC).

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo – UFBA/FACED/GEPEC, articuladora do Comitê Territorial Baiano de Educação Integral Integrada.

Atuou como consultora do MEC/UNESCO, no Programa Mais Educação, Assistente Técnica para Plano Municipal de Educação MEC/UNDIME-BA/SEC, redatora da Educação Infantil para Currículo Bahia – PROBNCC/UNDIME-BA/SEC, é Coordenadora Pedagógica da Rede Municipal de Ensino de Nazaré – Bahia.

Deixe um comentário

Facebook
YouTube
Instagram