IIº Seminário da Educação Integral de 4 a 6 de setembro na Universidade Federal da Bahia

Convidamos todos a participar do II Seminário Nacional da Educação Integral, que ocorrerá de 4 a 6 de setembro de 2023, na Universidade Federal da Bahia, em Salvador. Nesse seminário também lançaremos a Campanha Nacional pela Educação Integral. Fizemos em novembro de 2022 o Iº Seminário Nacional da Educação Integral em Diadema, São Paulo e escrevemos uma carta ao presidente Lula (clique aqui para ver o teor da carta) na qual explicamos que uma Educação de qualidade não deve ser apenas de tempo integral nas escolas mas deve ser uma Educação com Arte, com formação humanística, científica, política, antirracista, democrática, voltada para a vida em sociedade e que valorize as diferenças. Uma Educação Integral, ominilateral do ser humano.

A partir desse primeiro Seminário em Diadema realizaremos todos os anos em um lugar diferente do Brasil, um novo seminário nacional, para fazer crescer a consciência e as práticas de uma Educação diferenciada e integral, especialmente agora que o governo Lula lançou o projeto de universalizar a Educação de tempo integral em todo o país.

Um dos principais legados de Anísio Teixeira foi quando na década de 1930 e na esteira do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, ele identificou que a Educação Brasileira reproduzia as classes sociais ao manter duas entradas e dois sistemas, um para os filhos da classe trabalhadora, um ensino pobre para os pobres, raso em conhecimento, aligeirado e que preparava esses filhos para os trabalhos manuais, para uma entrada rápida no “mercado de trabalho”; e um outro sistema voltado aos filhos da elite, com ampla formação científica e humanista, que dava a esses jovens os fundamentos para avançar ao ensino superior e se preparar para assumir postos de comando na Sociedade, os mesmos postos que seus pais já ocupavam. Esse segundo sistema não se preocupava em preparar “para o mercado”, nem em precocemente arranjar um “meio de vida” ou “profissionalizar rapidamente” os jovens para “ganhar seu sustento”; era um sistema da elite no qual o que importava era uma formação de qualidade, apenas para a elite dominante, com o tempo necessário e os recursos suficientes para uma formação abrangente.

Anísio Teixeira defendia uma escola para todos, de igual qualidade e currículo para as crianças e jovens, de caráter laico, tanto para meninos como para meninas, em caráter integral, não somente com tempo estendido, mas com formação completa e ampla. Uma Educação que forme para a vida, para conhecer as ciências, as humanidades, para as artes, com apreciação estética, para a vida política e com conteúdo ético, para a cultura corporal e a saúde, generosa, como os projetos das Escolas Parque na Caixa D’água em Salvador, no Rio de Janeiro e em Brasília que ele criou desde a década de 1950.

Darcy Ribeiro é tributário dessa Educação e criou os CIEPs (Centros Integrados de Educação Pública) no Rio de Janeiro no governo de Leonel Brizola na década de 1980; nos anos 2000 temos a experiência dos CEUs (Centros Educacionais Unificados) na cidade de São Paulo com Marta Suplicy e Fernando Haddad que foi mantida pelos governos seguintes e permanecem nessa concepção, além de diversas experiências em municípios brasileiros que compõem práticas democráticas, com uma concepção educacional que respeita a diversidade, prioriza a inclusão social, racial, geracional, cultural e de PCDs. Experiências como a Escola Plural em Belo Horizonte a partir de 1989 com Patrus Ananias e seu secretário Miguel Arroyo, a escola Candanga em Brasília entre 1995 e 1998. 

Faz parte desse campo de experiências exitosas evidentemente a passagem de Paulo Freire pela secretaria da Educação do município de São Paulo no governo de Luíza Erundina e o Programa Mais Educação do MEC entre 2004 e 2014. 

Quando é promulgada a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, é instituída a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e criam-se os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, uma experiência sistêmica que comprova que a Educação Pública e gratuita, voltada aos setores populares, com investimento substantivo, valorização dos profissionais da Educação e uma proposta de Educação Integral é um projeto melhor para o Brasil. São experiências valiosas e amplas para a formação integral que não despreza a formação para o mundo do trabalho, mas é mais ampla para preparar também para a participação política, para a apreciação das artes e para a entrada na Universidade.

Há projetos das “Cidades Educadoras” e das “Cidades que Educam”, escolas municipais e estaduais, comitês territoriais de Educação Integral pelo Brasil que mostram a competência pedagógica e política de nossos educadores, comunidades, gestores, e deixam explícito que se trata de um projeto já estabelecido que precisa ser conhecido e defendido por todos.

Agora o Governo Lula apresenta como seu principal projeto na Educação Básica a Educação Integral e de Tempo Integral e o IIº Seminário Nacional de Educação Integral na UFBA em Salvador se inscreve no esforço de contribuir para esse debate curricular, político e pedagógico que fortalece e atualiza a concepção de Educação Integral inserida em um projeto de Sociedade radicalmente democrática, socialmente justa, sem desigualdades sociais e ambientalmente sustentável, que valorize as diferenças e combata todas as formas de discriminação. 

Por essa razão, convidamos todos os trabalhadores da Educação, alunos, gestores educacionais, pesquisadores, artistas, movimentos sociais e os interessados a participar do Seminário e a se engajar na Campanha pela Educação Integral como forma de construir um novo projeto de Nação com esse perfil.

O IIº Seminário será gratuito, com inscrições entre 24 de julho à 04 de setembroclique aqui para acessar.

Para ver a programação preliminar com os temas de cada mesa clique aqui.

Universidade Federal da Bahia – UFBA

Ministério da Educação – MEC

Secretaria da Educação da Bahia – SEC

Prefeitura de Diadema – Secretaria de Educação

União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação – BA (UNDIME-BA)

Centro de Referências em Educação Integral

Cidade Escola Aprendiz

Comitê de Educação Integral do Rio Grande do Norte

Comitê Territorial Baiano de Educação Integral Integrada

Comitê Territorial do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba de Educação Integral e Cidade Educadora

Fórum Estadual de Educação da Bahia

Fórum de Educação Integral para uma Cidade Educadora

Observatório da Educação Integral

TV Pelourinho

Deixe um comentário

Facebook
YouTube
Instagram