Home / Notícia / BNCC | Saeb
UNDIME PARTICIPA DA DIVULGAçãO DOS DADOS DO SAEB NA COLETIVA DE IMPRENSA EM BRASíLIA
Publicação: 03/01/2018

O ministro da Educação Rossieli Soares voltou a destacar a importância da aprovação da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio (BNCC) ao apresentar, nesta quinta-feira (30), em Brasília (DF), os resultados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) edição 2017.

“A BNCC para toda a Educação Básica é uma medida muito importante para reduzir as desigualdades educacionais. Já avançamos muito na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, em estados e municípios, e para completar este ciclo é fundamental a aprovação da Base, para começar a corrigir nossos rumos, e para além disso, apoiar os professores com formação e a gestão. É urgente que o país passe por esta mudança”, defendeu.

Divulgando pela primeira vez os dados do Saeb de modo separado ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), o ministro classificou como preocupantes os resultados alcançados no Ensino Fundamental e “pífios” os índices registrados na avaliação do Ensino Médio do país. Também de maneira inédita, o Saeb de 2017 estabelece classificações que variam entre “insuficiente”, “básico” e “adequado” como parâmetros para medir o nível de conhecimentos dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática.

Ensino Fundamental

Apesar de apontar melhorias em relação aos resultados da Avaliação realizada em 2015, o novo ciclo avaliativo apontou que alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, em Língua Portuguesa, alcançaram média de 4 de proficiência média, o primeiro nível do conjunto de padrão “Básico”, conforme interpretação dada pela Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação. Já os estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental apresentaram resultados mais baixos, alcançando nível 3 na média de aprendizagem, classificado como “Insuficiente”.

Em Matemática, alunos do 5º ano do ensino fundamental evoluíram e alcançaram 5 pontos, o que corresponde ao nível de conhecimento básico. Já nos anos finais, os alunos do 9º ano ainda estão no patamar insuficiente de aprendizado, com nível 3 de proficiência. A Escala de Proficiência de Língua Portuguesa é dividida entre os níveis 0 e 9, enquanto a de Matemática é entre os níveis 0 e 10.

As desigualdades educacionais do país também foram explicitadas na análise. Nove estados registraram as maiores proficiências médias em ambos os componentes avaliados em todas as etapas avaliadas: Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Outros estados se destacaram por proporcionarem mais ganhos de aprendizagem aos seus estudantes, em ambos os componentes avaliados e em todas as etapas avaliadas, quando se compara as edições de 2017 e 2015. São eles: Acre, Alagoas, Ceará, Goiás, Piauí e Tocantins. Goiás é único estado a compor ambos os grupos.

Ensino Médio

A avaliação do Ensino Médio registrou os índices mais alarmantes. Apenas 1,6% dos estudantes do Ensino Médio – cerca de 20 mil do total de 1,4 milhão alunos avaliados – alcançaram o nível de aprendizagem em Língua Portuguesa classificado como “Adequado” pelo MEC. O resultado indica, ainda, que mais de 70% dos jovens matriculados nesta etapa de ensino possuem níveis insuficientes de conhecimento esperados para esta etapa.

A avaliação dos alunos quanto aos conteúdos de Matemática apontou que o índice que possui aprendizado condizente com o conteúdo referente ao Ensino Médio alcança os 4 pontos percentuais e que apenas 60 mil estudantes superaram o nível 7 da Escala de Proficiência da maior avaliação já realizada na Educação Básica brasileira.

Undime

Representando a Undime, o professor Maurício Pereira, Dirigente Municipal de Educação de Florianópolis/ SC e Secretário de Coordenação Técnica da Undime, parabenizou a iniciativa do Ministério da Educação (MEC) em colocar luz sobre os dados do Saeb e reforçou o papel dos municípios sobre os bons resultados alcançados. “O Saeb dá um relevo especial a algo que nós, educadores, tanto prezamos: a aprendizagem. É nos municípios onde se registram os melhores índices da educação brasileira e grandes exemplos na educação municipal. Visão que pode ser constada nos resultados alcançados nos anos iniciais do Ensino Fundamental”, disse.

Maurício afirmou ainda que a análise proporcionada pelo Saeb a respeito do Ensino Médio pode ser usada para levar o modelo de ensino de volta ao “mundo real” e que é urgente torná-lo mais condizente com a realidade brasileira e mais atraente para os jovens. Em sua fala, ainda destacou como elementos fundamentais para reverter o atual quadro da educação nacional a melhoria da desigualdade e a implementação de uma gestão pedagógica mais eficiente, que promova melhorias na aprendizagem.

“O mundo mudou, a educação está mudando, a escola precisa mudar - se ainda não mudou - e nossos professores precisam mudar. A aprendizagem precisa ser o foco e ter prioridade. Precisamos levar, cada vez mais, o MEC onde a educação acontece e este lugar é o município”.

Coletiva

Além do representante da Undime, compuseram a mesa, ao lado do Ministro da Educação, Rossieli Soares, o Secretário Executivo do MEC, Henrique Sartori, a Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, a secretária de Educação Básica do MEC, Kátia Smole, o representante do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Haroldo Rocha, o Diretor de Estatísticas Educacionais do Inep, Carlos Moreno e a Diretora de Avaliação e Educação Básica do Inep, Luana Bergmann.

A Undime também esteve representada pelos presidentes das Seccionais da Undime de Pernambuco, Maria Elza Silva, Paraíba, Iolanda Barbosa da Silva, do Mato Grosso do Sul, Kalícia Brito França e do Rio Grande do Sul, André Lemes e da Vice-Presidente da Undime Santa Catarina, Claudia Favero.

Saeb

O Saeb é um processo de avaliação em larga escala realizado periodicamente pelo Inep. Oferece subsídios para a elaboração, o monitoramento e o aprimoramento de políticas com base em evidências, permitindo que os diversos níveis governamentais avaliem a qualidade da educação praticada no país. Por meio de testes e questionários, o Saeb reflete os níveis de aprendizagem demonstrados pelo conjunto de estudantes avaliados. Esses níveis de aprendizagem estão descritos e organizados de modo crescente em Escalas de Proficiência de Língua Portuguesa e de Matemática para cada uma das etapas avaliadas. A interpretação dos resultados do Saeb deve ser realizada com apoio das Escalas de Proficiência. Os resultados de aprendizagem dos estudantes apurados no Saeb, com as taxas de aprovação, reprovação e abandono, apuradas no Censo Escolar, compõem o Ideb.

Mais informações sobre os resultados do Saeb estão disponíveis na apresentação divulgada e na planilha com os resultados Brasil, Estados e Municípios. 

A apresentação, na íntegra, também pode ser vista no YouTube, por este link.

Fonte: Undime com informações do MEC