Home / Notícia / UNDIME / SEC
A BAHIA ESTEVE REPRESENTADA NA REUNIãO DO PROGRAMA MAIS ALFABETIZAçãO EM MINAS GERAIS
Publicação: 08/06/2018

A Reunião do Programa Mais Alfabetização (PMALFA),  ocorrida no dia 07 de junho de 2018, em Juiz de Fora –MG, contou  com a  participação dos Coordenadores Estaduais, dentre eles, as representações da Bahia, Robélia Aragão da Costa e Poliana Nascimento dos Reis.

A programação foi objetiva com o intuito de envolver todas os coordenadores em prol de um objetivo  comum: promover a aprendizagem das crianças.

No decorrer da programação foram  alguns assuntos  foram tratados, como: acolhimento e apresentação dos Coordenadores Estaduais; apresentação do PMALFA e das ações dos Coordenadores Estaduais, no âmbito do programa; o uso do Sistema de Monitoramento do PMALFA como ferramenta de acompanhamento e suporte para a execução do programa; desenvolvimento Profissional no PMALFA; apresentação da experiência de alfabetização em Pedra Branca, conduzida pelo Professor Amaral Barbosa de Lima; encerramento.

Estiveram presentes a Professora Aracélia Ribeiro do Nascimento – Coordenadora Geral do Ensino Fundamental Ministério a Educação, a qual evidenciou a relevância desse programa de alfabetização,  tendo em vista as dificuldades de leitura, escrita e de interpretação apresentadas pelo nossos meninos e meninas. Também a articulação em processo entre o Novo Mais Educação e a BNCC. A equipe da CAED/UFJF responsável pela ação/programa referendou a ferramenta do PMALFA, em âmbitos pedagógicos e operacionais.

No processo de escuta evidenciaram-se as inconsistências ainda existentes na ferramenta virtual, a importância da ação para o país, as fragilidades das formações de professores e a necessidade de intervenções diretas e contextuais ao longo do processo, uma vez que a diversidade do Brasil é imensa.

Além de tudo isso, vale enfatizar que o Sistema de Monitoramento veio reforçar a política de monitoramento implantada no país, possibilitando a produção de informações/dados que poderão subsidiar a tomada de decisão pelos gestores da educação.

Para a Professora e Coordenadora Estadual Robélia Aragão, "esta ação não deve ser vista de modo isolado, essa pode atender metas e estratégias referentes ao processo de alfabetização dos Plano Nacional, Plano Estadual e Plano Municipal e, principalmente, para a defesa da territorialidade, o PMALFA não é somente do estado nem somente os municípios. Ele deve ser nosso".

As parcerias existentes MEC, CAED, CONSED, UNDIME, Secretarias de Educação devem congregar  esforços para que o país  possa avançar nos resultados de aprendizagem de nossos estudantes. E a Bahia deve atender as responsabilidades do programa de forma articulada entre estado e municípios para que vozes  ecoem  por todo o território baiano – as crianças tem o direito de aprender.