Home / Notícia / BNCC na Prática
IMPLEMENTAçãO DA BASE SEGUE SENDO UM GRANDE DESAFIOS PARA O DMES
Publicação: 10/11/2019

Assim que a proposta da BNCC, Base Nacional Comum Curricular, foi entregue pelo Ministério da Educação ao Conselho Nacional de Educação no dia 6 de abril de 2017, e conforme preconiza a Lei 9131/95, coube ao CNE – Conselho Nacional de Educação, como órgão normativo do sistema nacional de educação, fazer a apreciação da proposta da BNCC para a produção de um parecer e de um projeto de resolução que, ao ser homologado pelo Ministro da Educação, se transformou em norma nacional.

Em 22 de dezembro do mesmo ano, foi publicada a Resolução CNE/CP nº 2, que institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica.

À partir de então, os desafios para os DME’s  - Dirigentes Municipais de Educação de todo país, se ampliaram pela vulnerabilidade das políticas públicas de formação e acompanhamento destas ações junto aos municípios com a extensão da SASE no Ministério da educação e do PROAM na Secretaria da Educação do Estado.

A BNCC passou a partir de então, a servir de referência obrigatória para a construção dos currículos de estados, municípios e escolas e foi então que a UNDIME Bahia, fortaleceu seus Encontros Formativos Territoriais, promoveu dois Itinerários Formativos, um em Uma e outro em Paulo Afonso, além das duas Pré-Jornadas Pedagógicas, que dentre as pautas propostas, inseriu a discussão sobre o currículo nas discussões propostas.

O Conviva Educação foi um grande aliado e uma ferramenta que foi bastante utilizada pelos DME’s da Bahia, quando por meio da Articuladora Estadual, Zuma Castro, chegou a mais de 20, dos 27 Territórios de Identidade que compõe a Bahia.

Para o Presidente da UNDIME Bahia, Williams Panfile Brandão, DME de Elísio Medrado no Vale do Jiquiriçá, nunca ouve um movimento tão bonito no estado, onde em meio às tendências de fragilidades quanto às políticas públicas, a UNDIME, por meio do seu presidente, pôde chegar em 23 Territórios de Identidade e mobilizar o estado em meio às diversas ações realizadas no âmbito da educação pública.

“Ocupamos um espaço importante e para nós é motivo de muito orgulho, perceber que temos uma Diretoria coesa e qualificada, fazendo a educação pública pulsar nos territórios de identidade. Hoje os municípios baianos conhecem a UNDIME e isso se deve a esse trabalho a essa relação dialogacional que sempre mantivemos com todas as esferas e segmentos da sociedade”, destaca.